curriculum vitae

Cesário Costa (n. 1970)  tem vindo a distinguir-se como um dos mais ativos maestros portugueses da sua geração. Vencedor do III Concurso Internacional Fundação Oriente para Jovens Chefes de Orquestra, em 1997, foi desde então convidado para dirigir inúmeras formações nacionais e estrangeiras. O seu reportório estende-se do barroco ao contemporâneo, incluindo mais de cento e trinta obras em estreia absoluta. Para além da direção de orquestras, tem exercido funções de docência e de programação musical em várias instituições. Foi Presidente da Metropolitana/Associação Música, Educação e Cultura, instituição que gere a Orquestra Metropolitana de Lisboa (da qual foi também Diretor Artístico), a Academia Nacional Superior de Orquestra, a Escola Profissional Metropolitana e o Conservatório da Metropolitana. Foi Diretor Artístico e Maestro Titular da Orquestra do Algarve e da Orquestra Clássica do Sul. É diretor artístico do In Spiritum - Festival de Música do Porto.

Nos últimos anos, Cesário Costa dirigiu, entre muitas outras, a Royal Philharmonic Orchestra, a Orquestra Sinfónica de Nuremberga, a Orquestra Sinfónica Portuguesa, a Orquestra Gulbenkian, a Orquestra Sinfónica do Porto Casa da Música, a Orquestra Metropolitana de Lisboa, a Orquestra Filarmónica da Macedónia, a Orquestra Filarmónica de Roma, a Filarmonia Sudecka (Polónia), a Filarmonia Rzeszów (Polónia), a Orquestra de Extremadura (Espanha), a Orquestra Sinfónica de Múrcia, a Orquestra Sinfónica de Liepaja (Letónia), a Orquestra de Câmara da Rádio Romena, a Berliner Symphoniker e a Orquestra Sinfónica Nova Rússia. No campo da música contemporânea, apresentou-se com diferentes agrupamentos, dos quais se destacam a Remix Orquestra, Ensemble für Neue Musik (Würzburg), OrchestrUtopica (Portugal), Arhus Sinfonietta (Dinamarca) e o Plural Ensemble (Madrid). Participou em inúmeros Festivais de Música, de que se destacam o Festival de Música Atlantic Waves (Londres), Aberdeen (Escócia), Arhus (Dinamarca), Neerpelt (Bélgica), Dresden (Alemanha), Murcia (Espanha), Estoril, Sintra, Póvoa do Varzim, Espinho, Coimbra, Leiria e Mafra.

Apresentou-se em Espanha, França, Andorra, Alemanha, Escócia, Bélgica, Inglaterra, Itália, Dinamarca, Suécia, Macedónia, Polónia, Letónia, Roménia, Albânia, Malásia, Brasil, México, Cabo Verde, China, Turquia, Sérvia, Rússia, Argentina e Canadá, tendo sempre a preocupação de divulgar a obra dos compositores nacionais nos programas que apresenta. Em Portugal, tem colaborado com o Teatro Nacional de S. Carlos, a Casa da Música, o Teatro da Trindade, o Teatro Nacional S. João, São Luiz Teatro Municipal, o Centro Cultural de Belém, Fundação Calouste Gulbenkian e a Fundação de Serralves, entre muitas outras instituições. Trabalhou nos últimos anos com grande parte dos autores contemporâneos portugueses, em primeiras audições de ópera e de música orquestral, tanto no país como no estrangeiro.

Colaborou com solistas como António Meneses, Jan Lisiecki, António Rosado, Branford Marsalis, Boris Berezovky, David Russel, Elisabete Matos, Gerardo Ribeiro, Mário Laginha, Ute Lemper, entre outros, e trabalhou com encenadores como Luís Miguel Cintra, Terry Jones, Beatriz Batarda, João Pedro Vaz, Maria Emília Correia e a coreógrafa Olga Roriz.

Depois de concluir, em Paris, o Curso Superior de Piano, Cesário Costa decidiu estudar Direção de Orquestra, completando com nota máxima a Licenciatura e o Mestrado na Escola Superior de Música de Würzburg, sob orientação do Prof. Hans-Rainer Foerster. Em 1997 foi bolseiro do Festival de Música de Bayreuth. Para além da atividade concertística, já exerceu funções de Diretor Artístico e Maestro Titular da Orquestra Clássica de Espinho e Diretor Artístico dos Concertos Promenade do Coliseu do Porto. Paralelamente, assumiu lugares de docente em várias escolas e foi professor na Universidade Católica Portuguesa.